Escolha sua Corda

A importância da escolha do tipo de corda em uma raquete é tão grande que merece especial atenção quando você for encordoá-la . É recomendável que você sempre consulte um encordoador profissional.

images.ashx?id=66

Material:

Vamos dividí-los em cinco grupos:

1 . Nylon

São as mais simples do mercado. Baixo custo.

Perdem tensão rapidamente.

Alteram-se facilmente com a variação de temperatura.

Tem baixa absorção de impacto - existem exceções.

Em geral são grossas.

São mais resistentes as quebras.

2 . Tripa sintética

Custo intermediário.

Perdem menos tensão do que o nylon.

Estão menos sujeitas a variação de temperatura.

Tem boa absorção a impacto.

Em geral são finas ou intermediárias.

Resistem menos a quebra do que o nylon.

3 . Poliéster

Alta perda de tensão.

Sofrem pouco com a variação de temperatura.

Tem várias espessuras.

Bem resistentes a quebra.

Custo intermediário.

Absorção baixa de impacto.

4. Tripa Natural

Segue e otimiza todas as características da tripa sintética.

Extremamente sensível à umidade.

Alto custo.

5. Materiais de Alta Performance

São cordas sintéticas de altíssimo nível. Dividimos estas em dois grupos:

De alta absorção a impacto. São as cordas indicadas a tenistas com histórico de incômodo em qualquer parte do braço.

De alta jogabilidade. São cordas indicadas aos tenistas competitivos. Em geral são compostas por diversos polímeros.

Tensão:

A tensão a ser colocada nas cordas da raquete de tênis, é parte fundamental para a performance do jogador, assim como para a saúde do braço.

Veja abaixo as vantagens e desvantagens de se usar tensões altas e baixas:

1 - Tensões altas

- Maior precisão
- Menor velocidade de bola
- Menor conforto
- Menor absorção ao impacto (possível maior vibração)
- Menor durabilidade.

2- Tensões baixas

- Menor precisão
- Maior velocidade de bola
- Maior conforto
- Maior absorção ao impacto (possível menor vibração)
- Maior durabilidade.

Evidentemente todos buscamos ter mais precisão no golpes (tensões altas), mas como vimos, isto fará com que a velocidade de bola diminua e aumente o desconforto. Neste caso, é de se esperar que o jogador tenha o braço bem preparado para tal exigência (em geral profissionais e avançados).

Deixando os profissionais e avançados um pouco de lado, no mundo amador, é muito mais importante a velocidade de bola e o conforto do que qualquer outra característica (tensões baixas). Assim o jogador conseguirá bolas profundas (dificultando o ataque adversário), e um bom nível de conforto, lhe poupando o braço de incômodos.

No passado, alguns jogadores costumavam usar tensões altíssimas, pois os aros das raquetes não tinham as características dos de hoje. Isto acabou perpetuando a ideia de que todos devem usar tensões altas. Mas, saiba que nem os profissionais fazem mais uso deste artifício (exceto alguns).

Para os que estão adquirindo uma raquete nova, sugerimos colocar tensão média (exemplo, se a sugestão de tensão na raquete é de 50 a 60 libras, peça 55). Além dos benefícios descritos, é possível num segundo encordoamento, variar esta tensão para mais ou menos, ajustando melhor a raquete a sua necessidade.

Espessura:

A espessura de uma corda de tênis é tão importante para o jogo e braço, quanto seu tipo, rigidez e tensão.

O quadro abaixo contempla a maioria da espessuras disponíveis para as cordas, assim como as diferentes unidades existentes (gauge e milímetros). Veja da mais grossa para a mais fina:

Gauge 15 - De 1,41 a 1,49 mm.
Gauge 15L - De 1,34 a 1,40 mm.
Gauge 16 - De 1,26 a 1,33 mm.
Gauge 16L - De 1,22 a 1,26 mm.
Gauge 17 - De 1,20 a 1,24 mm.
Gauge 17L - De 1,16 a 1,20 mm.
Gauge 18 - De 1,10 a 1,16 mm
Gauge 19 - De 1,00 a 1,10 mm (em geral para squash).

Note que algumas espessuras em milímetros se repetem, pois alguns fabricantes determinam suas próprias medidas.

As espessuras que contém a letra L (light), são mais finas. Exemplo: A corda gauge 16L é mais fina do que a 16.

Veja agora as vantagens e desvantagens das cordas finas e grossas:

1- Cordas finas:

- Imprimem maior velocidade a bola.
- Menor controle de bola.
- Absorvem mais o impacto com a bola.
- Aceleram o spin.
- Duram menos.
- Podem custar mais.

2- Cordas grossas:

- Aumentam o controle de bola.
- Menor velocidade de bola.
- Absorvem menos o impacto com a bola.
- Menor efeito spin.
- Duram mais.
- Podem custar menos.

Considerações

Diferente do passado, as cordas mais finas tornaram-se hoje, as mais populares entre os tenistas de todos os níveis.

Apesar da desvantagem de quebrar prematuramente, se comparada as cordas mais grossas, as cordas mais finas ajudam a soltar mais a bola, o que garante uma maior agressividade nos golpes. Além disto, a área de contato da bola com a tal corda fina é menor, o que indica uma menor transferência de vibrações ao braço.

A mesma corda, muitas vezes é apresentada em diferentes espessuras. Isto permite ao tenista adequar a melhor espessura para seu estilo, sem ter que mudar de corda.

Caso esteja adquirindo uma raquete nova, e não tenha opinião formada sobre a espessura, opte pelo tradicional, entre o 1,23 e o 1,30 mm. No segundo encordoamento faça as correções se necessário.

Dicas sobre cordas:

1- Ressecam, independente do uso, há exceções.

2- Perdem tensão, independente do uso.

3- Podem quebrar se as peças plásticas da raquete não estiverem perfeitas.

4- Quebram mais facilmente quando se usa o golpe " Top Spin".

5- Pode-se utilizar o bate-forte(aumenta a durabilidade e correm menos)

6- Correm e saem do lugar mesmo quando semi-novas.

7- Encordoamento errado quebra a raquete.

Tire suas dúvidas
via Whatsapp
WhatsApp